Comentários no Blog

Procure um conto que você mais se identificou e deixe nele um comentário falando o que quiser e fazendo o seu classificado ou propaganda para conseguir contatos.

Se preferir enviar um conto, remeta para maridodaisabela@gmail.com

sábado, 1 de novembro de 2008

Os machos de minha esposa

Sou casado com uma mulher maravilhosa ela é morena pele cor de jambo uma mistura de índio com branco e negro o que resultou uma mulher de parar o transito além do que, tem 1,75 m de altura cabelos lisos quadris largos e cintura fina seios pequenos e durinhos, estamos casados a 15 anos e depois do que aconteceu que irei relatar o meu tesão dobrou por ela. A minha descrição não tem necessidade seria perca de tempo dizendo que meu pênis mede somente 15 cm e não consigo satisfaze-la plenamente. Mas vamos aos fatos, as nossas transas havia caído na rotina e para apimentar ela dizia para eu imaginar ela sendo comida enquanto chupava meu pau, no começo achei estranha essa atitude mas, comecei imaginar e notava que ela ficava super molhada todas as vezes que transávamos e eu ficava louco de tesão não agüentava e gozava rapidamente.

Depois ela começou a pedir que a xingasse de puta, que ela era piranha, égua, vadia, eu notava que ela se transformava .

Enquanto a penetrava ela tocava siririca, sinal que eu já não estava dando conta, ela me chamava de corninho, que eu tinha que arrumar um pinto grande para ela, que eu ia ficar olhando enquanto ela dava para outro, depois eu iria tomar “sopa” isso foi minando minha mente e eu já estava totalmente entregue. Consciente que mais cedo ou mais tarde iria levar um belo par de chifres, se é que eu já não estava levando. Não sei porque mas, puta sempre consegue o quer e ela conseguiu me fazer um corno manso. Tanto que pedia para ela me chamar de corno enquanto a comia e ela delirava gozava como sempre, urrava enquanto eu chupava aquela boceta maravilhosa e dizia: - isso chupa corno, chupa gostoso que hoje eu dei muito, toma sopa, toma corno, ta gostando do gosto de porra na minha xana corno. Às vezes tinha que parar para não gozar logo, mas ela queria sempre mais, e falava: Eu gosto de pinto grande, gosto de jegue, você gosta, corno de me ver larga né seu corno, to como você gosta corno? Eu dizia que sim, que queria vê – la dando para outro que queria limpar sua buceta com a língua. Ela dizia que eu ficar vendo e bater punheta enquanto outro a comia e assim gozávamos muito.

Até que um dia ela foi promovida em seu serviço e passou a usar roupas que delineavam mais seu corpo escultural e sua bunda gostosa. Usava e abusava de sua sensualidade e em nossas transas ela sempre me aliciando e como todo corno é um viado enrustido ela não demorou a descobrir. Começou a enfiar um dedo em meu cú enquanto me chupava, depois lambia minhas pregas enfiava a língua lá no fundo aquilo me deixava louco e foi me viciando sempre que transávamos me chamava de corno, puto, viado, manso, e eu adorava e pedia mais até que um dia através de anuncio na internet ela comprou um pênis com ponta dupla aqueles que tem uma cabeça em ambas extremidades e passamos usar juntos gemendo ela comentava: - É gostoso né corninho, você quer uma rola de verdade? Eu arrumo para nós. Eu já não tinha como negar nada apenas consentia e assumia meu lado viado e corno. No final de ano houve uma balada de despedida na empresa onde ela trabalha e me disse que não poderia levar parentes; até aí tudo bem, só que ela disse que era para eu esperar ela chegar que iria me fazer uma surpresa, pensei comigo hoje vou tomar sopa. Chegou a data da festa e ela se arrumou toda passou um óleo de amêndoas pelo corpo colocou um fio dental preto e um vestido bem fino com as costas totalmente de fora e um decote que dava para ver quase tudo quando ela se debruçava para frente, estava pronta para abater o primeiro que aparecesse, fiz um comentário: - Desse jeito que você está acho melhor levar um balde pois não vai faltar porra para você. E ela disse: - Não se preocupe amor eu trago um pouco para você. Saiu toda,toda e ordenou: Me espera limpinho tá corninho! Fiz o que ela mandou tomei uma ducha fiz uma lavagem anal e fiquei esperando ansioso. Quando eram exatamente três horas da madruga ouço a garagem abrir e risos que vinham junto fui até porta para recebe – la e tive a surpresa que ela havia prometido estava com dois homens grandes deviam ter mais ou menos 1,85 m cada e me apresentou eles se chamavam Wagner e Leandro dizendo que eram colegas de uma filial do interior e não tinham reservado hotel na capital então ela resolveu trazer eles para passar a noite em casa, me dando uma piscadinha maliciosa. Nisso eles foram entrando eu disse para se sentirem a vontade, se tinha sido boa a festa, eles disseram mais ou menos e que a única coisa que salvou a festa foi minha esposa por abrilhantar a noite e como estava muito chata eles queriam ir embora mas minha linda mulher perguntou se eles tinham lugar para ficar e eles disseram que não e acabaram aceitando o convite dela. Perguntando se eu não me importaria e ela dizendo que não que nós tínhamos um casamento aberto e coisa e tal enfim cá estavam eles. Falei fiquem a vontade ofereci um drink para eles, enquanto fui preparar minha esposa colocou uma musica lenta e convidou o Leandro para dançar ele olhou para mim querendo minha aprovação mas ela deu um puxão nele e disse: -Aqui quem manda sou sou eu, né corninho? Fiz um aceno de sim com a cabeça, essa foi a deixa que eles queriam, Wagner mais do que depressa já se alojou atrás da minha esposa e começou a dançar junto com eles. Ela estava alucinada, esfregava em um depois virava e esfregava em outro, até que começou a tirar as camisas deles e foi descendo a arriando as calças de ambos e olhava para mim que a esta altura já estava sentado no sofá somente de cueca arriada e batendo uma leve punheta e admirando o desempenho de minha putinha.

Quando eles mostraram o pinto realmente vi que nasci para ser corno mesmo, eram enormes do tipo atores de filme pornô. Ela os colocou lado a lado e começou a chupar e olhava para mim , e me oferecia: - Você quer né? Tá gostando? Pode vir eles sabem que você é corno manso e viado, vem viadinho me ajude. Não pensei duas vezes cheguei perto e comecei a alisar e como eles agiam já deviam estar comendo ela faz tempo só estavam esperando uma oportunidade para concretizar a foda na frente do corno manso. Ela deitou com a barriga para cima enquanto um foi na frente ao lado do rosto e deu a rola para ela chupar o outro foi colocando em sua buceta devagar e ela deu um grito contido com uma jeba na boca, e começaram a foda mais alucinante que que pude presenciar ela estava totalmente entregue à aquelas toras, gemia, gritava e falava: Isso que é pinto, é disso que eu gosto, me fode na frente desse corno, tá gostando amor? Olha como é gostoso, bate punheta bate corninho, que eu vou te dar sopinha, vem aqui amor me beija, quando cheguei perto dela para beija –la senti uma mão em minha bunda e um dedo procurando alargar meu cu, só que não era o dedo da minha esposa e sim do Wagner que estava me abrindo facilitei e arrebitei a bunda para ele no que deu uma lubrificada no seu cacete e foi introduzindo aquela tora no meu cu vi estrelas pois era o dobro da largura do pinto que havíamos comprado, mas estava uma delicia ambos ali uma puta e um corno viado sendo comidos por dois garanhões. E ela falava: Gostou da surpresa viadinho, elesm me comem a muito tempo, é deles a porra que trago para você e hoje resolvi trazer a fonte pra você corninho tá gstando amor? Eu só gemia e dizia que sim, até explodir em gozo sem tocar no meu pênis. Depois Wagner saiu de trás de mim e foi fazer um sanduíche da minha mulher junto com Leandro, que a essa altura estava comendo o cuzinho dela. Na hora em que eles foram gozar ficamos os dois em baixo para beber porra. Foi uma loucura. Eles ficaram o final de semana inteiro nos comendo, o Wagner adorou comer meu cu enquanto eu comia minha esposa e ela chupava o Leandro, ela dava risada e dizia: - O pinto do Wagner está te atravessando e eu to sentindo ele aqui na minha buceta, amor eles viram sempre para cá de hoje em diante você vai ser nosso viadinho. E assim foi.

Nenhum comentário: