Comentários no Blog

Procure um conto que você mais se identificou e deixe nele um comentário falando o que quiser e fazendo o seu classificado ou propaganda para conseguir contatos.

Se preferir enviar um conto, remeta para maridodaisabela@gmail.com

sábado, 1 de novembro de 2008

Obrigado corno manso!

Me chamo João, na época 19 anos, e me considero uma pessoa de sorte.

Naquela noite, havia passado por maus bocados. Por ser tímido, não fazia sucesso entre as mulheres, jamais havia sequer beijado uma. Todos sabiam disso onde eu morava. Pois então, tinha ido a uma festa e, como sempre, não peguei ninguém, mas além disso, ficaram tirando sarro de mim por eu ser virgem, inclusive as meninas. Foi constrangedor...

Saí de lá desejando ser contorcionista para conseguir enfiar minha cabeça no toba, de tão deprimido que estava. Caminhei solitário por um tempão por umas ruas escuras e sem movimento, apenas cachorros no seu ritual noturno se faziam ouvir. Um gol preto passa dois quarteirões abaixo, rua da minha casa, e eu penso: ‘Meu Deus, quando será que eu vou conseguir comer uma mulher? Se não sei o que falar, me borro todo toda vez que chego perto de uma, como vou fazer? Que se foda, vou chegar pra alguém e dizer, olha, é o seguinte, tô a fim de te comer, falou? São umas galinhas mesmo!” Viro a esquina, “daqui meia quadra estarei em casa, vou entrar no banheiro e bater punheta de novo...Bosta...BOSTA, BOSTA, BOSTA!!!” Neste momento, o gol passa de novo, anda alguns metros e retorna, parando ao meu lado. Não consigo ver o interior, mas logo a janela é abaixada e quase tenho um treco. Uma loira, muito bonita, mulher mesmo, muito melhor que as meninas da festa, sorrindo, me diz: “Oi, tudo bem, está ocupado?” “Não”, respondo. “Você não quer me comer?” Fiquei muito desconfiado, mas não ia perder uma chance dessas. Poderia ser mais uma dos meus amigos pra me tirar mais um sarrinho, mas mesmo assim, só conseguia pensar em meter meu pinto naquela mulher. Topei. Ela desceu do carro, e disse pra eu entrar, e foi aí que eu vi que tinha alguém no volante. Era um homem, me cumprimentou e só. Vi que tava fodido, ia ter que dar o rabicó pra ele se quisesse comer a mulher. Fiquei decepcionado. Mas a mulher sentou no meu colo e já colocou os peitos bem no meu rosto. Que delícia, aquele cheiro, como eram macios...chupei os biquinhos, mordi, lambi, que gostoso que eram os peitos dela. E ela estava gostando, ficava me falando “ai, que gostoso, chupa meus peitinhos, chupa”. Passou a mão no meu pau, fez “humm...”, aí eu peguei na buceta dela. Ela ficava gemendo, me falando “ai, que gostoso, abusa de mim”, essas coisas que me deixaram com pau tão duro que chegou a doer os bagos.

Quando paramos, vi que estávamos na porta de um motel. Nunca havia entrado em um, obviamente, e, por um instante, parei de mamar para ver como era por dentro. Achei muito legal, e logo voltei aos peitos. Entramos na garagem, e a preocupação me bateu de novo, em relação ao cara, que, pelo jeito, era marido dela. Assim que entramos no quarto, os dois começaram a se beijar e foram vindo na minha direção. Fiquei ali, paradão, e ela começou a rebolar, esfregando a bunda no meu pau. O cara começou a tirar a roupa dela. Notei seus longos cabelos, suas costas, vi que era uma mulher muito bem cuidada, seu cheiro era maravilhoso. Deixou-a peladinha, sem calcinha nem nada, aproveitei e passei a mão na xana, estava molhada, esfreguei os dedos um pouco, ela gemia gostoso. Virou-se para mim, abriu meu zíper, pôs meu pau pra fora e começou a chupar. Que sensação deliciosa, ela colocava ele na boca e ficava lambendo a cabeça ao mesmo tempo, depois chupava só a cabeça, bem devarinho, e engolia tudo de uma vez! Estava muito gostoso, senti que ia gozar, e ela parou. Pegou uma camisinha, colocou no meu pau com a boca, deitou com as pernas abertas e disse “vem me comer, vem”. Meio sem jeito, deitei em cima dela e fiquei tentando enfiar de todo jeito, igual aqueles cachorros em volta de cadela no cio, bem afobado mesmo, mas ela segurou meu pau e colocou na entradinha, aí meti no meio das pernas dela. Enfiei o pau inteiro de uma vez, e fiquei colocando e tirando bem rápido, ela gemia “ai,ai, vou gozar, heim, me fode”, me apertou as costas, continuei metendo e comecei a gozar. Como foi gostoso, minha primeira gozada... não conseguia parar de meter, ficava bombando na buceta dela e gozando...”to gozando”, sussurrou no meu ouvido. Olhei pra ela, estava com um sorrisinho nos lábios, de olhos fechados, com a cabeça um pouco pra trás, o queixinho levantado...”Ai, to gozando, isso, me fode mesmo, eu gosto...”

Estava realizado! Tinha comido uma mulher, e ainda feito ela gozar! Estava leve como uma pluma...deitei ao lado dela, me estiquei na cama, só queria ficar ali, sentindo aquele cheiro, curtindo o momento, mas rapidamente ela segurou meu pau, tirou a camisinha, secou com uma toalha e começou a chupar de novo. Já me animei. O cara, que era minha preocupação, estava sentado no escuro, quase nem dava pra ver ele, e ela chupando...Fiquei com vontade de chupar ela também, fui me ajeitando, ela percebeu, largou meu pau, apoiou minha cabeça no travesseiro e esfregou a buceta na minha cara. Como estava quente, molhada, muito macia e cheirosa. Enfiei a língua dentro dela, lambi, me saciei com a buceta, uma delícia. Meu pau já estava latejando de novo, ela, novamente com a boca, coloca uma camisinha e senta devarinho, pouco a pouco, até entrar tudo. Fica um pouco assim, sobe devagarinho até quase sair de dentro, e começa e sentar de novo... foi aumentando o ritmo, pra mim não estava muito bom, estava desconfortável, minhas bolas estavam prensadas e toda vez que ela descia ela as amassava...Foi quando o cara levantou, fiquei esperto, mas ele chegou por trás dela, vi que ia meter no rabinho, ela parou e eu aproveitei pra ajeitar os bagos. De repente, se levanta e fica de quatro pra mim e vai chupar o pau do cara. Chego por trás e coloco na xana. “Que safada”, comecei a meter bem forte nela, bombando mesmo...ela gemia baixinho, com uma vozinha tão doce, falava, “isso, me fode”, toda hora, com um biquinho lindo. Ela abaixou a cabeça, arrebitou bem a bundinha, e, de olhos fechados, falou: “agora você vai comer meu cuzinho, quer? Quero... Então coloca, mas devagarinho, ta?” Um cuzinho rosadinho, mas sem pregas. Encostei a cabeça e enfiei devagar. O pau foi entrando sem resistência, ela rebolando e suspirando, enfiei inteiro, ela disse "deixe aí um pouquinho, vou te fazer uma massagem". Deitou, ficando numa posição tal que estava apertando muito minha rola. Eu por cima dela, fungando no pescoço, ela apertando meu pau e gemendo, fazia movimentos com a bunda, arrebitava que quase me jogava pra cima, apertava de novo, muito gostoso. “Come meu cuzinho, me fode, ai que gostoso, como eu gosto, me fode que eu tô gozando”. Gozei também, bem gostoso. Ainda tomei um banho com ela, me lavou inteirinho, da cabeça aos pés, chupou meu pau de novo até eu gozar na sua boca. Que mulher carinhosa...

Isso aconteceu há quase 10 anos, nunca mais a vi, mas agradeço por tê-la conhecido. Consegui vencer a timidez e nunca mais tive problema com mulheres, Ah, sobre o cara, hoje eu sei, era apenas um corno.

Nenhum comentário: