Comentários no Blog

Procure um conto que você mais se identificou e deixe nele um comentário falando o que quiser e fazendo o seu classificado ou propaganda para conseguir contatos.

Se preferir enviar um conto, remeta para maridodaisabela@gmail.com

sábado, 1 de novembro de 2008

Enfim Realizei a Fantasia do Meu Maridinho Corno

Amigos leitores, me chamo Letícia, sou uma gata super sensual, tenho 24 anos, cabelos castanhos claros, olhos verdes, corpo bem definido, não sou um miss mas sou bonita. Venho de uma família conservadora onde sexo sempre foi tabu, sou tímida e recatada quando o assunto é este, apesar de na cama ser bem quente. Casada há cinco anos com Paulo, um executivo de 37 anos, carinhoso, romântico, alegre e de bem com a vida, somos muito apaixonados.Desde que nos conhecemos nossa vida sexual sempre foi ótima, transávamos todos os dias. Após nos casarmos percebi que meu marido era mais liberal do que eu imaginava. Numa tarde de sábado, provoquei-o até que entramos no assunto e lhe disse que eu achava que ele gostava de ser corno, após uma breve discussão ele acabou confirmando minhas suspeitas. Disse que era liberal, que me amava muito, mas que tinha esses desejos diferentes, de me ver na cama com outro, e que nem por isso iria deixar de me amar ou respeitar, muito pelo contrário nossa cumplicidade iria fortalecer nossa relação, ele não achava que isso fosse traição, pois estaria participando, que existiam muitas páginas na Internet, que relatavam casos de casais que tinham essas experiências e eram muito felizes.

Fiquei emputecida com ele, ficava pensando no que minha família ou nossos amigos iriam dizer se soubessem. Os dias se passaram e eu imaginava que ele não me amava, ou talvez que fosse gay, ou talvez doente, sei lá mil coisas se passavam pela minha cabeça. Para mim era impossível alguém amar e aceitar uma situação assim. Fui então procurar informação a este respeito, na Internet , em livros, revistas e até um psicólogo procurei. Descobri que nada de anormal existia nisso, que não é falta de caráter, não é doença, muito menos falta de amor, mas uma maneira diferente de encarar a vida e seus prazeres, sempre com muito amor. Mesmo assim eu não concordava, às vezes me sentia frustrada, meio magoada, achado que estava com o homem errado. Paulo gentil, mas insistente, quando transávamos ele tocava no assunto e dizer imaginar ter mais um homem com nós na cama. Com o passar do tempo fui aceitando algumas mudanças e compramos até um vibrador para participar das nossas, brincadeirinhas na cama. Como sou muito envergonhada disse que não teria coragem de estar com outro na sua frente. Foi quando ele me falou que se eu me sentisse mais à vontade, poderia sair com outro sem ele, mas deveria lhe contar tudo em detalhes, seu grande desejo sexual era viver uma historia assim.

O tempo passou e já com o consolo não brincávamos mais eu estava meio confusa. Mas meu maridinho continuava a tocar no assunto depois de dois anos, acabei concordando, mas teríamos que tomar algumas precauções. Teria que ser um homem, bonito, gentil, e de bom nível. Também sairíamos somente uma vez, para realizar a fantasia e para que não tivesse nem outro envolvimento.

Meu amorzinho ficou muito feliz com minha decisão. Cobinamos, que iríamos a uma danceteria em Bal. Camboriú, pois moramos em Itajaí (SC), e se pintasse alguma coisa poderia acontecer. No fundo eu tinha muita vontade, mas não admitia nem para mim mesmo.

Marcamos o sábado, e fomos para uma badalada Wsqueria daquela cidade. Eu esta com um vestido preto que deixava as costas nuas, e um decote avantajado, estava com uma calcinha minúscula e de salto alto. O ambiente era ótimo estávamos nos divertindo, quando percebi que no meio daquela escuridão tinha um rapaz (Rojer) alto, forte que estava me observando, falei para o Paulo e ele me incentivou que desse uma volta e deixasse rolar. Fui até o banheiro, quando estava retornando foi abordada por ele que disse: como uma gata tão linda e gostosa esta sozinha, respondi: estou com meu marido, Rojer meio sem jeito falou: ele não se importará de dançar comigo um pouco, não chequei nem a responder e ele me arrastou para a pista de dança. Logo tocaram um forró, ele me agarrou bem juntinho e pude perceber que estava de pau duro e por sinal era enorme, como não houve resistência uma, mas severa começou a beijar levemente meu pescoço, e percebeu que eu fiquei toda arrepiada. Deslizava suas mãos pelas minha costas e às vezes se atrevia passar por meu bumbum. Olhei e vi que meu maridinho só nos observava de longe. Neste momento Roger me perguntou: Teu marido não tem ciúmes? de a sua gata estar dançando com outro? Respondi: Tem, mas controlado. Roger: Eu adoraria passar uma noite inteira com você, iria te levar as nuvens, queria te beijar inteirinha, te fazer delirar! Neste momento passei levemente a mão sobre sua calça e pude sentir o real tamanho daquele pau, falando que meu marido era bem liberal e que quem sabe poderíamos estar alguns momentos juntos. Convidei-o para irmos até a mesa onde esta o meu já quase corninho. Eu estava muito exitada, nervosa, com vergonha, não sabia direito. Já na mesa após as apresentações, enquanto bebíamos umas cervejas Roger por baixo da mesa passava a mão na minha perna e aos poucos foi subindo até minha bucetinha que já latejava e estava encharcada de tesão. Paulo percebeu minha excitação e foi ao banheiro, demorou um pouco quando voltou me pegou com a vara do Roger em minha mão. Agiu discretamente, me deu um longo beijo e disse: Vamos para um lugar mais à vontade, convite que aceitei na hora. Chegamos no motel todos calados, nervosos, entramos na suíte, meu marido deixou tudo quase escuro e foi colocar a banheira encher, quando ele voltou eu esta nos braços do nosso amigo (que já estava só de cuecas) em um longo beijo, olhei para o meu marido e disse, não se preocupe ele esta louco para ser corno, vem meu amor veja. Fiquei de joelhos na frente daquele gato lindo, tirei seu pau para fora e quase tive um susto, era maior do que eu pensava tinha 20x06. Comecei a mamar naquela vara como uma cadela no cio dizendo: “Olha meu amorzinho veja o tamanho do pau que vai te fazer corno, é grosso, lindo, cabeçudo, bem como eu gosto, mas de hoje em diante terá que ser bem mansinho vem cá”. Quando ele se aproximou enquanto chupava nosso novo amigo, segurei o pau do meu marido que já estava duro como ferro, para provocá-lo falei: “Isto que é vontade de ser corno, já esta de pau duro”, e comecei a revezar chupando os dois. Eles me colocaram na cama, enquanto Roger enfiava seus dedos em minha bucetinha e lambia meus seios, Paulo meu marido me beijou ardentemente, olhando nos olhos dele perguntei: Tem certeza é isso mesmo que você quer? Acenando com a cabeça num sinal positivo disse: “Hoje será como você quiser minha putinha gostosa”. Envergonhada como sou naquela hora me transformei. Como uma verdadeira puta, gemia, gritava, pedia pau, ouvindo Roger dizer, “Nossa meu amigo, tua esposa é uma gata gostosa, linda, cheirosa, hoje vou te ensinar como se fode vadia tesuda”, Fiquei de quatro na cama, meu maridinho chupava minha xoxotinha enquanto eu mamava no cassete do nosso convidado. O Pau dele mau cabia em minha boca. Meu corninho entusiasmado olhando dizia: “Mostra pra ele o quanto vc gosta de uma vara dura minha vadia tarada. Já estava toda molhada, fiquei mais melada ainda ouvindo meu marido falando daquele jeito pra mim”, pedia pau Então fiquei de quatro na cama, Roger colocou uma camisinha no seu caralho enorme e veio para trás de mim. Pedi para o meu amorzinho corno: “Você não queria ver então vem meu chifrudo abre minha pereca e pede para o meu comedor meter forte e bem gostoso; “, meu marido veio abriu minha pererequinha e disse “ Vai seu pauzudo, mete nessa buceta, enfia tudo, ela adora abrir as pernas e levar pau, enfia até as bolas, faz ela gozar que nem uma cadela”. Ele encostou a cabeça e começou a forçar a entrada, doía um pouco pelo tamanho do cassete, mas aos poucos foi entrando, até que eu já sentia as bolas batendo em minha buceta. Neste momento eu delírio já havia gozado duas vezes com aquele caralho enorme entrando e saindo da minha bucetinha, já tinha perdido a razão, Roger enfiava tudo enquanto eu chupava meu maridinho, vendo como ele estava feliz disse: “Não era isso que você queria meu corninho, olhe, veja bem eu rebolando neste cassete gostoso”. Foi só eu dizer isso e ele encheu minha boquinha com seu leite gostoso, em seguida Roger me fez sentar em seu colo, eu sentia aquele macho me penetrando e me agarrando e em seguida nós gozamos.

Após um delicioso banho, voltamos para cama e Roger pediu que queria comer meu cuzinho, não deixei e meu corninho concordou, pois eu poucas vezes havia dado o rabinho. Falei para meu maridinho corno, fica agora só olhando. Fizemos um 69 eu e Roger depois ele me fodeu em várias posições, gozei mais três vezes, com meu maridinho olhando.

Saímos do motel nos despedimos e nunca mais vimos Roger. Apesar da vergonha que sinto, me diverti muito, venci barreiras e cada dia que passa eu amo mais o meu corninho, ele está sendo o melhor marido do mundo, estamos pensando em outra oportunidade repetir a dose. Mas agora meu corninho aceitou que tem que ser como

Nenhum comentário: