Comentários no Blog

Procure um conto que você mais se identificou e deixe nele um comentário falando o que quiser e fazendo o seu classificado ou propaganda para conseguir contatos.

Se preferir enviar um conto, remeta para maridodaisabela@gmail.com

sábado, 1 de novembro de 2008

Corno mansinho

(praticamente verídico – poucas coisas alteradas)


Tenho 40 anos (Ricardo) há 21 estou casado. Minha mulher (Clara) tem 41 anos, não podemos falar que somos recatados. Já realizamos algumas fantasias. Nossa aventura mais ousada for mantermos um caso com outro casal durante 3 anos (entre nos, digo que foi muito bom para o nosso casamento. Mas também acabou na hora certa). Tenho um filho (Renato) com 20 anos e uma menina (Roberta) com 18.

Após uma pelada, que sempre participamos, rolou o churrasco do mês. Regados a muita cerveja. Já lá pelas tantas só haviam restado eu, meu filho e o Paulão (nosso vizinho, que sempre vai de carona). Paulão já estava no vestiário se aprontando pra irmos embora. Como fiquei responsável pelo dinheiro, fui acertar as contas com o cara do bar e com o churrasqueiro.
Logo que terminei fui pro vestiário. Antes de entrar escutei um gemido. Parei, espiei antes de entrar. Tudo limpo, entrei e percebi que apenas o último box estava com o chuveiro ligado. Meu coração disparou e minha curiosidade iria me matar. Liguei o chuveiro do primeiro box, tirei a roupa e entrei na água fria!
Não agüentei! Sai e fui olhar o que era. Com todo cuidado e sem ser visto, pude ver meu filho metendo no rabo do Paulão. Gelei na hora!
Voltei pro chuveiro, rapidinho tomei meu banho e me troquei.
Sai do vestiário e fiquei esperando os dois pederastas perto do carro.
Assim que chegamos em casa falei pro meu filho que eu sabia do ocorrido.
Ele falou que cú era tudo igual. E que o Paulão era um filho da puta e que tinha mesmo era que levar piroca.
Não falamos mais sobre o assunto. Mas fiquei matutando muito tudo aquilo.
Um tempo passou até que cheguei ao meu andar e quando a porta abriu percebi que algo “suspeito” acontecia entre minha filha e o Paulão. Eles pareciam disfarçar algo...
Em meu trabalho teria que tirar alguns dias de férias e resolvi que não comunicaria nada em casa, seguiria o “padrão” do meu dia-a-dia. Assim eu poderia espionar minha própria casa.
Sai normalmente para trabalhar, deixei minha mulher no trabalho dela e voltei pra casa. Chegando vi que o carro dos meus filhos já não estava mais na garagem. Subi, entrei em casa de mansinho. Percebi que Rita estava trabalhando na cozinha. Me escondi em baixo de minha cama. Pode? Iria ficar ali por algumas horas, até minha filha chegar em casa (o banheiro era, do meu quarto, era a opção para dar uma circulada).
Quase meia hora após a campainha tocou. Rita abre a porta e fala: - “A não. Você aqui já de manha!
Em seguida a resposta: - “De manhã é mais seguro. Vem minha gostosa”.
Na hora reconheci a voz. Era o Paulão. Bingo!
Eles foram em direção ao quarto dela, que é colado na cozinha.
Fui até a porta da cozinha e esperei.
Em pouco tempo eu ouvia a cama rangendo alto e forte, assim como os gemidos da Rita. Pelo ritmo da coisa achei que a “coisa” acabaria rapidinho. Mas mesmo assim entrei na cozinha e procurava um ângulo para ver o quarto sem ser visto.
E vi! De caralho duríssimo! De quatro na cama a Rita levando na buça e a bunda do Paulão em rápido vai e vem. Por sorte eles estavam de costas pra mim. Ficaram nessa por incríveis 25 minutos. E trocaram para um frango assado. Ela deitada na cama e ele encaixado. Dessa forma eu via a cara (de puta sendo rasgada) da Rita com seus pequenos e bicudos peitinhos sacudindo rápido. Paulão metia sem trégua e em alta velocidade. Incrível ainda não ter gozado.
Tive que recuar, pois ela poderia me ver.
Quando ouvi o Paulão gemendo e falando que ia gozar voltei para o ângulo e pude ver. Ela estava na mesma posição, e ele sobre a barriga dela, se masturbando. Gozou na cara dela. Quando conseguiu ver a piroca do Paulão, me decepcionei. Era fina! Uns 3 cen, mas comprida, uns 19 x 3 (meu dote é de 20 x 5). Voltei pro quarto.
Ele foi embora, tudo normal. Quando notei que ela foi pro chuveiro, sai e voltei pro carro.
Meus filhos chegaram. Mas só voltei às 14 horas. Cheguei em casa, ia falar que havia esquecido um relatório.
Rita me falou que minha filha já havia saído (ido para a casa de uma amiga), meu filho estava em casa. Me fiz de bobo e perguntei sobre minha esposa. Ela respondeu que não, que a dona Clara só chegava pro almoço às sextas.
Entrei no quarto do meu filho. Falei pra ele que já sabia porque ele tinha falado que o Paulão era um filho da puta.
Ele me respondeu:
“Pois é pai. Não tive aula de inglês, voltei pra casa mais sedo e peguei os dois no quarto dela. Foi isso, o filho da puta comendo a minha irmã dentro da minha casa”.
Porra! Tremi... Gelei quando ele falou aquilo. Foi como uma bomba!
Então, na verdade, o Paulão estava comendo a Rita e aminha filha.
Perguntei pro meu filho como ele havia “pego” o Paulão.
Ele me respondeu:
“Vi e não falei nada. Passei a vir mais sedo sempre. Lá pra quinta ou sexta vez, ela reclamava que ele estava bêbado e fedorento. Ele tentava comer o cú dela e ela relutava em ceder. Até que ele conseguiu e... socava forte... ela choramingava baixinho e falava que ele era gostoso. De pau duro e puto, em silêncio, cuspi na cabeça do pau e meti no cú dele em uma estocada só! Quando ele pulou já era... falei que cú de bêbado não tinha dono. E a cadela da sua filha falou: - matrata ele maninho! É uma puta mesmo! E eles metem até hoje...”.
Perguntei se entre ele e a irmã?
Ele respondeu que não. Só nesse mesmo dia, que ele também tinha metido na bunda da irmã. E depois nunca mais. Que ele nem volta mais sedo pra ver.
Falei pra ele que estava bem e sai de seu quarto.
Então na quarta, dia da putaria, quem chegou pra “averiguar” fui eu. Segui a mesma técnica que utilizei pra ver o Paulão com a Rita.
Bingo! Ele chegou. Foram para o quarto, encostaram a porta toda. Fiquei atrás da porta ouvindo... quando ouvi os gemidos e o estalar da cama, olhei pelo buraco da fechadura. Consegui ver quase tudo.
O filho da puta tinha sorte! A Rita era uma mulata magrinha e com um corpinho show de bola! E a minha filha estava um tesão! Gostosa... com seios de médios para grandes, bicos rosados. Bunda dura e redonda. Toda braquinha e totalmente depilada... Me masturbei atrás da porta mesmo. Que loucura... Que tesão!
No dia seguinte fui falar com o Paulão.
Falei que sabia de tudo... Que ele era um filha da puta... Um traidor!
Que isso era uma sacanagem dele. Uma coisa que não tinha concerto!
E que como tudo tinha começado?
Ele respondeu:
“Desculpa Ricardo! Nem sei o que te falar e nem como te falar.
Em uma sexta-feira quando entrei na garagem vi a Clara no carro com o Sr. Elias”.
Pensei: meu Deus! Quantas emoções em tão pouco tempo!
O Sr. Elias é um dos porteiros do prédio e deve ter uns 65 anos.
Perguntei pra ele:
Como assim Clara e o Sr. Elias?
Ele respondeu:
“Ela estava com os peitos de fora chupando a piroca dele. Quando meu carro entrou eles deram um pulo. Subi no elevador com ela falando que ia te contar. A partir desse dia, em troca de silêncio, toda sexta de tarde, trepo com a sua esposa”.
Filho da puta! Você é um filho da puta!
Você simplesmente fode com todas as mulheres da minha casa! Porque?
Ele me respondeu:
“Porque são todas umas putas! Desculpa, mas essa é a verdade!
Você sabe que trabalho em casa. Estou aqui todos os dias em todos os horários. Elas pedem pra fuder! O que posso fazer? Tenho certeza que você faria a mesma coisa que eu”!
Levantei e fui embora sem falar nada.
Não comentei nada com ninguém!
Só de sacanagem, na sexta, fui pra casa pra conferir.
Fui direto pro quarto. Olhei pela fresta da porta e Clara cavalgava Paulão, deitado em minha cama.
Fiquei de pau duro na hora!
Tirei a roupa ali mesmo. Entrei no quarto, fui para o lado deles, em pé ao lado da cama, coloquei na boca do Paulão, que mamou. Clara cavalgava com pressão, seus peitos grandes sacudiam como as tetas de uma vaca.
Clara pediu para eu ir por traz dela. Quando me posicionei ela conduziu meu pau para a sua buça. Com jeito meti... fizemos uma dupla vaginal alucinante em minha esposa, que gemia e urrava como uma vadia alucinada!
Quando ela não agüentava mais as duas ferramentas na buça, tirei e meti no cuzinho dela. Fizemos uma dp com força! Quase matamos clara de tanto meter...
Hoje em dia sempre comemos a minha querida esposa. Também temos comido a Rita, juntos.
Já com a minha filha, ele filma e me passa pra assistir.
Ele está combinando com ela de colocar mais um homem na cama... com ela vendada a transa toda.
Quem será esse homem... (!!!)

Nenhum comentário: